Lodder

Céus orvalhai, orvalhai sobre nós; e as nuvens chovam o justo! (refrão)

Não vos irriteis, Senhor, nem jamais vos lembreis da iniqüidade;
eis que a cidade santa se tornou deserta, Sião é um deserto!
Jerusalém, uma desolação! – casa de vossa santidade e glória,
onde nossos pais vos louvaram!

Céus orvalhai, orvalhai sobre nós; e as nuvens chovam o justo!

Pecamos e nos tornamos impuros e caímos como folhas,
a nossa maldade, como vento nos levou!
De nós escondestes a vossa face e nos entregastes à nossa iniqüidade?

Céus orvalhai, orvalhai sobre nós; e as nuvens chovam o justo!

Vede, Senhor, a aflição do vosso povo, e enviai aquele que deveis mandar:
enviai o Cordeiro Senhor do mundo, da Pedra do deserto ao monte da filha de Sião,
para nos tirar o jugo do nosso cativeiro.

Céus orvalhai, orvalhai sobre nós; e as nuvens chovam o justo!

Consola-te, povo meu, consola-te;

cedo virá tua salvação! Por que te consomes de dor, por que tua dor se renova?
Não tenhas medo, eu te salvarei. Pois sou o Senhor teu Deus, o santo de Israel, teu Redentor!

Céus orvalhai, orvalhai sobre nós; e as nuvens chovam o justo!